Duas irmãs separadas por um oceano

Conheça a história de Juliana que vai passar o Natal longe da família, em outro continente

irmãs abraçadas

Você já viu as histórias encantadoras de Natal que fazem parte de Viva Linda? Uma sueca que passou a noite com uma família brasileira, mãe e filha que moram distantes mas criaram artifícios para conversarem na data, dois jovens recém casados que vão passar longe das famílias pela primeira vez, do outro lado do mundo. Vários enredos, vários amores, mas todos provam uma coisa: há muitas maneiras de se fazer presente na vida de quem é especial! <3

A última reportagem da série mostra duas irmãs que eram supergrudadas, mas que vão passar o Natal em continentes diferentes. As duas comentaram a página de O Boticário no Facebook, falando sobre a saudade que aperta, e conversamos com elas para conhecer a história.

irmãs abraçadas

Em julho de 2013, Juliana Vargas viajou para Sydney, na Austrália, para fazer uma especialização na sua área. Mesmo tendo planejado ficar apenas seis meses, embarcou com o coração apertado e até hoje se emociona quando lembra desse momento. “Virei para trás e vi aqueles olhares cheios de lágrimas da minha família. Mas o que eu mais guardei foi o da minha diva, minha mana Gigi“, diz. Antes, em São Leopoldo (RS), elas se encontravam quase todos os dias. “Eu fazia um café da tarde e esperava ela para ver novela depois do trabalho”, lembra.

O primeiro Natal longe da família foi difícil, mas Juliana tentava manter em mente que logo voltaria para casa. E se pensar que ficaria longe daquela amiga tão inseparável por seis meses já era difícil, ficou ainda mais quando Juliana recebeu uma proposta de emprego. “Com o coração em migalhas, eu não tinha como dizer não para uma oportunidade tão bacana“, conta ela.

Agora, Juliana confessa que o segundo Natal em Sydney será mais difícil, mas já planejou conversar com a “mana” por mensagens de texto e vídeo. “É difícil pensar nessa data quando o mais importante, minha família, não está junta. Mas o nosso amor nos une e só de saber que eles existem, já me sinto com eles”, admite. Outro truque para amenizar a saudade é lembrar do apoio que a família dá por mensagens e telefonemas que não a deixam desistir dos seus objetivos. E que o próximo café da tarde juntas, no ano que vem, está cada vez mais perto. <3

COMENTÁRIOS 6

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Connect with
with Facebook

COMENTÁRIOS

    1. Esta mensagem foi muito emocionante, pois também tenho uma pessoa muito especial em minha vida, a qual pretendo ter ainda por muito tempo em minha vida. É a minha 2ª mãe. A 1ª (biológica) Deus levou muito cedo, quando eu tinha apenas 6 anos de idade e ela completaria 30 anos depois de 2 meses de falecida. Ela, a 1ª, estava muito preocupada conosco (somos 3 irmãs) sendo eu a mais velha e incumbiu a nossa atual mãe, de casar com meu pai e continuar cuidando de nós. Esta 2ª mãe, foi a empregada de nossa casa e até hoje é esta pessoa querida e abençoada por Deus e por todas nós. Mãe é aquela que nos escolheu e nos deu o seu amor. Te amamos, mãe.